Erros gramaticais podem te custar uma fortuna: Descubra por que!

Erros gramaticais podem te custar uma fortuna: Descubra por que!

Vamos dar uma olhadinha nas simples “vírgula”, que muitos consideram ser a mais insignificante das pontuações.
Muito bem! É só um pontinho com uma curva né? Nada demais! OK? Então qual é a diferença entre estas duas frases? “Não, espere” e “não espere”.

Pois é uma diferença de vida ou morte, não? Então se você acha que a gramática básica é algo que só se usa na escola prepare-se para ficar “atarantado!” sim pode procurar o significado disso no Google.

Mas então qual é o segredo das vírgulas? Bem em 2017 a Oakhurst Dairy, uma empresa de laticínios no estado do Maine, nos Estados Unidos, perdeu literalmente milhões de dólares por causa de uma vírgula. O motivo foi trivial: os motoristas entregadores que trabalhavam para empresa processaram, alegando não terem recebido pelas horas extras de trabalho.

Mas a empresa discordava, os dois lados apelaram para as leis trabalhistas estaduais. As quais exigem que qualquer pessoa, que trabalhasse mais de 40 horas semanais, tinha o direito de receber um adicional de 50%, com algumas exceções, claro.

E aí que surgiu o problema, veja bem: de acordo com a lei as exceções eram as seguintes e isso é uma citação direta: “O envasamento, processamento, preservação, congelamento secagem, rotulação, armazenamento e empacotamento para expedição ou distribuição de:
1- Produtos agrícolas;
2- Carnes e peixes;
3 – Alimentos perecíveis;

Os Laticínios são produtos perecíveis, então isso significa que os motoristas não tinham o direito de receber hora extra. Já que distribuíam esses alimentos, certo?

Bem, não é tão simples assim! Dê mais uma olhada na primeira frase, nela está escrito: “armazenamento, e empacotamento para expedição ou distribuição”. Não viu a “vírgula” antes da palavra “ou”? É você não viu, pois não tem “vírgula” nenhuma!

Isso quer dizer que tudo faz parte de uma cláusula só! Agora vamos explicar algumas coisas, a vírgula de Oxford, como é chamada, nos Estados Unidos, é normalmente colocado antes de e ,ou, ou para propiciar a clareza. E pode acreditar faz uma diferença enorme!

Vamos pegar um exemplo simples embora muito estranho: “ao longo de minhas viagens eu conheci Elon Musk, uma bruxa e um ciborgue que corria”. E agora compare com essa daqui: “ao longo de minhas viagens eu conheci, Elon Musk, uma bruxa, e um ciborgue que corria”.

No primeiro caso a sucessão é facilmente acompanhada. Primeiro ele conheceu Elon Musk, depois uma bruxa e depois um ciborgue. Um grupo bem diversificado para falar a verdade, mas não tão estranho a ponto de tirar a veracidade da frase.

No segundo caso porém, a presença da vírgula antes do “e”, transforma em uma bruxa em aposto implicando, que Elon Musk é uma bruxa, enquanto que um ciborgue se torna sujeito, sendo o segundo a se conhecer ao longo das viagens. Bem, considerando sua genialidade eu não duvidaria se me dissesse, que ele não é humano, mas Bruxo já é demais né?

Agora vamos voltar ao caso em questão. Como eu disse antes, a parte empacotamento para expedição ou distribuição, da frase também não tem uma vírgula de Oxford, o que faz com que tudo pareça ser parte da mesma atividade. E os caminhoneiros se basearam nesse fato. Eles afirmaram que: “nós distribuímos os produtos, mas não os empacotamos” e se, não fazem isso, eles não estão incluídos na lista dos que não são pagos pelas horas extras trabalhadas.

A empresa discordou, e o caso foi parar nos tribunais. E sabe qual foi o veredito? Isso mesmo: causa ganha para os motoristas. O juiz decidiu que se não havia vírgula na frase, queria mesmo dizer que empacotar e distribuir os produtos eram uma atividade só. E como os motoristas não trabalhavam com empacotamento, tinham direito a receber pelas horas extras de trabalho.

Portanto de acordo com a decisão judicial, cada um dos cinco motoristas que entraram com processo receberiam 50 Mil dólares e o resto dos motoristas, cerca de 127 pessoas, tinham direito a receber o valor de quatro anos de horas extras trabalhadas. Somando tudo o que teve que desembolsar mais de 5 milhões de dólares.

Mais tarde o estado do Maine editou a lei, para evitar tais ambiguidades, porém, já era tarde demais para empresa. Tá vendo a importância da pontuação coleguinhas? E esse não é o único caso em que um erro aparentemente insignificante gira custos de Milhões de Dólares. Aqui estão apenas alguns dos diversos exemplos que aconteceram mundo afora:

1- Frutas e plantas, 1872

Uma das primeiras vezes em que a pontuação teve grande importância, foi quando o governo norte-americano colocou uma vírgula, ao invés de um hífen, no ato tarifário dos Estados Unidos.
Ao escrever “Fruits, Plants” que quer dizer: frutas, plantas. Ao invés “Fruits-Plants”, algo como “Plantas Frutíferas”, o governo praticamente isentou todas as plantas de impostos, embora a intenção fosse isentar apenas as que produzem frutos. Dizer que os agricultores estavam pulando de alegria é pouco!
Pense Comigo: de repente eles não precisavam pagar mais nenhum imposto por qualquer coisa que cultivasse na terra e vendessem. Levou quase dois anos para lei ser modificada, durante esse tempo os cofres públicos perderam cerca de 2 Milhões de Dólares. O que hoje equivale a mais de 50 Milhões de Dólares.

2 – Filho e Filhos, 2015

Não se convenceu ainda? Bem aqui está um caso onde não foi uma “vírgula”, mas sim uma letra, que causou uma confusão danada em 2015. Um negócio de família britânico chamado Taylor and Sons, saiu na lista do governo de empresas que declararam falência.
É um procedimento padrão. Bem, seria se não fosse por um erro na lista. O governo queria citar a “Taylor and Son” uma empresa totalmente diferente, no entanto, quando perceberam o erro já era tarde demais.
Uma empresa centenária, sem problema financeiro algum, faliu da noite para o dia. E não parou por aí, porque, mais tarde a “Taylor and Sons” processou o governo britânico e ganhou a causa recebendo 9 milhões de libras de indenização, e a justiça foi feita.

3 – O erro de digitação mais caro da história, 1962

Esse título vai para um erro no sistema de navegação da sonda criada pela NASA para colher dados de Vênus, o erro foi tão pequeno, que não é de se estranhar porque ele não foi percebido antes!
O fato é que o algoritmo não tinha um hífen, mas não importa o quão pequeno seja, cada símbolo conta quando uma tecnologia tão precisa está em jogo. E nesse caso não foi diferente. Em 1962 um hífem que faltava fez o foguete que carregava a sonda sair da Rota e explodir sobre o Oceano Atlântico.
O custo desse erro de algoritmo foi de uma soma que hoje equivale a 150 Milhões de Dólares mas o estrago na reputação foi ainda maior, a NASA perdeu muita credibilidade e o mundo demorou para ver imagem de Vênus.

4 – As viagens exóticas que deram errado, 1988

As páginas amarelas eram muito úteis quando ainda não existia a internet, mas parece que ela também poderia se virar, contra os anunciantes em alguns aspectos. Em 1988, uma agência de viagem da Califórnia resolveu divulgar seus pacotes de viagens exóticas, na lista, em forma de propaganda.
E qual seria a pior das hipóteses envolvendo um erro de digitação? Se você imaginou que o erro estava na palavra “exóticas”, acertou em cheio! As páginas amarelas imprimiram como viagens eróticas, não é o tipo de coisa que eu reservaria assim tão abertamente, e a clientela da agência pensou mesmo.
A empresa perdeu 80% de seus clientes quando as páginas amarelas se recusaram a corrigir o erro. Mas essa foi talvez, a travessura mais cara da história da lista. A agência de viagens a processou por má conduta e ganhou uma indenização de 10 milhões de dólares. Tomara que ele tenha divulgado os pacotes de viagens exóticas do jeito certo depois disso.

5 – Faltou a letra “P”, 2007

Isso me lembra da Língua do “P” que a gente usava no ensino fundamental.
Enfim, vamos voltar aos erros: Quando você erra o nome de alguém, pode ser constrangedor, mas quando você erra o nome que pode lhe custar meio milhão de dólares absolutamente frustrante.
Um azarado vendedor do eBay aprender uma lição do jeito mais difícil de todos: ele colocou uma garrafa de AllSopp’s Arctic Ale, de 1852 à venda, uma relíquia valiosíssima, porém, ele errou na hora de digitar e escrever o nome da cerveja assim: “1852 Allsop’s Arctic Ale”, com apenas um “p” o que fez a oferta passar despercebida pelos especialistas em cerveja.
Aí uma pessoa a comprou o dele por 304 dólares e postou de novo no eBay, assim que colocou as mãos na garrafa, dessa vez sem erros. Depois de mais de 150 ofertas, a garrafa foi vendida por mais de meio milhão de dólares. Que sorte ou azar para o cara errou!

Você já cometeu algum erro gramatical que custou caro compartilhe suas histórias constrangedoras nos comentários?

Deixe um comentário

shares